A crise do coronavírus impôs às empresas e às pessoas uma nova forma de se organizarem. A digitalização do trabalho já era uma realidade crescente e, com a pandemia, a tendência é aumentar.  Hoje, já se fala que o mundo não voltará a ser como antes – tanto em termos de protocolos de segurança como nas mudanças dos locais de trabalho. Ao trabalhar remotamente, a tecnologia tem sido a base, ou no mínimo a plataforma, de quase todas interações laborais. 

Além da digitalização do trabalho já iniciada há tempos – e-mails, intranet, mensagens de celular, apps de negócios – agora até os encontros e reuniões são feitos remotamente. Mas as relações humanas, como ficam? Enquanto gestor, como potencializar a capacidade do seu time? Você utiliza a tecnologia como um elemento para melhorar a sua equipe ou ela é um fim em si mesmo? 

Estas são questões que não temos a pretensão de responder, de forma definitiva, neste post. No entanto, convidamos você, leitor, a refletir sobre os novos aspectos dos ambientes corporativos, considerando as pessoas no centro dos processos de digitalização do trabalho.

Boa leitura! 

Digitalização do trabalho: qual deve ser o foco? 

Simples: o colaborador! Ele é o principal stakeholder desta jornada de digitalização. É o trabalho dele que está em transformação e o apoio de uma liderança ativa é essencial neste caminhar. E, com uma equipe satisfeita, bons resultados são colhidos por todos. 

Se produtividade, desempenho e uma crescente aceleração da sociedade já eram uma realidade antes da pandemia – e a base da transformação digital dos negócios – é preciso notar que o centro disso tudo é o trabalhador. Sendo ele o seu foco, é mais fácil entender a necessidade de ser flexível e adequar o approach tecnológico. Qual é o tamanho e a importância que ele deve ter em uma organização. 

Afinal, a tecnologia é uma base – ampla, sólida e necessária – mas quem faz o trabalho, no final das contas, são as pessoas. Se a pandemia impôs mudanças de maneira abrupta e até improvisada, talvez seja a hora de rever alguns conceitos e prioridades.  

Como humanizar o digital? 

A ênfase tem sido, muitas vezes, na tecnologia propriamente dita. Tanto é que, recentemente, um vídeo em que os alunos “abrem a câmera” durante uma aula, como surpresa para a professora, viralizou nas redes sociais. Ela se sentia sozinha, lecionando sem ver o rosto dos estudantes durante os meses de isolamento social. 

Ações simples como abrir câmeras e promover coffee breaks virtuais podem ser determinantes para aliviar a angústia que muitas pessoas têm sentido na nova forma de trabalho. Mas a gestão tem um papel essencial neste processo. Veja o que fazer.

Seja um líder ativo 

Manter a equipe alinhada e organizada é essencial. Se o home office é uma realidade na sua empresa – seja em tempo integral ou parcial – é preciso que as diretrizes sejam claras. Mesmo de longe, acompanhe sua equipe. Tenha indicadores para estimular a performance dos trabalhadores e mensurar o seu desempenho. 

Promova um ambiente de trabalho agradável 

Naturalmente, não é possível acompanhar fisicamente as pessoas quando elas estão trabalhando remotamente. No entanto, procure promover a conscientização sobre a importância de manter a postura laboral correta e atenção a sintomas de estresse. Se sua empresa ainda vai trabalhar remotamente, disponibilize manutenção de máquinas e estações de trabalho. Conte com o auxílio de um RH ativo e participativo. 

Caminhe com seu colaborador 

Caso a sua empresa esteja iniciando a jornada de transformação digital, estimule seu colaborador a caminhar com você. Promova treinamentos, workshops e esteja à disposição para tirar dúvidas e agir a cada nova fase de digitalização do trabalho. E mais: entenda como a operação é feita e, somente a partir disso, aja. Lembre-se: as decisões sobre como trabalhar não devem ser tomadas sem a colaboração de quem executa o trabalho. 

E não se esqueça. Não se trata de ir de um ponto a outro e considerar o assunto encerrado. É preciso revisitar – e readequar – as diretrizes com frequência, mantendo a equipe e a gestão em uma constante sinergia. 

Não sabemos quando ou como será o mundo pós-covid. Mas podemos imaginar que ele não será o mesmo de antes – até porque as próprias transformações digitais estão evoluindo independentemente da pandemia. A saúde física e mental da sua equipe reflete diretamente no desempenho dela e, consequentemente, da empresa.  

Na QDOIS, acreditamos que a digitalização do trabalho é para todos e que deve ser feita de forma estratégica e personalizada. Que, ao digitalizar processos, conseguimos potencializar o melhor dos colaboradores, sem perder o foco no humano. Saiba mais sobre nossos serviços de Digital Workplaces, clicando aqui